Psicóloga Responde

Dicas úteis para o dia-dia

Briga de amor, dói!

 Como podemos entender que um casal que se ama pode chegar à violência conjugal?

             Para pensar nesta questão, proponho refletir sobre a seguinte pergunta: Qual é o inverso do amor? Se você pensou que é o ódio, se enganou redondamente, pois o ódio e o amor são duas faces da mesma moeda. Nós só podemos odiar as pessoas que nos são significativas, pois amor e ódio são sentimentos que nutrimos por aqueles que mobilizam profundas e intensas emoções dentro de nós, assim sendo, provavelmente odiamos porque amamos demais, mesmo sem saber, e não nos sentimos correspondidos, ou nos sentimos dependentes, ou decepcionados ou frustrados, por este alguém, então o amor transforma-se em ódio.

            O oposto do amor, por sua vez, nada mais é do que a indiferença.

            É importante ter em mente que casais que se agridem violentamente, possuem elementos como o sadismo e o masoquismo como forte componente de suas personalidades e tais características imperam com vigor, muitas vezes, de forma camuflada nesta relação que acontece entre “tapas e beijos”.    

Mas, ainda resta a pergunta: porque pessoas que se amam chegam ao ponto de se agredir de forma violenta?

Vamos por partes e pensar em primeiro lugar sobre o conceito de violência, que é um dano invasivo ao psiquismo e ao corpo, e surge quando a linha tênue do limite entre duas pessoas deixa de ser considerada. Daí percebemos que se houve invasão é porque falhou a construção de um espaço dentro do agressor que considera o outro como um ser existente e independente de seus desejos.

A violência entre o casal chega no momento em que o mito do amor romântico se desfaz. Neste mito o outro representa aquele que existe para trazer a felicidade e a satisfação plena, então, a pessoa agredida foi coisificada, não é mais um ser a parte, mas sim, um objeto cuja função é não decepcionar, nem em fantasias.   

 Nesta relação, o agressor torna-se prisioneiro de sua própria violência, porque busca na pessoa amada aquilo que ele próprio é, ou aquilo que idealiza, ou ainda, a pessoa amada representa os amores perdidos da infância: o pai que protege ou a mãe que nutri ou ainda, toda a gama destes elementos combinados. De tal modo, nesta rede de representações aparece deslocado o desejo de completude com o ser amado, onde as frustrações naturais da vida não cabem, e o parceiro tem por obrigação, compensar as decepções vividas no passado do agressor, que com tantas exigências tais desilusões só podem se repetir como num circulo sem fim.  

A violência então surge no lugar daquilo que não pode ser dito nem pensado e se reapresenta como se fosse um destino inescapável. Agressores e agredidos apresentam um embotamento da capacidade de pensar a vida emocional, portanto distanciam-se de suas consciências as quais buscam diferentes caminhos para se defender do sofrimento, tal qual o analgésico, que alivia temporariamente a dor, contudo, a causa só poderá ser suprimida quando a violência entre o casal puder ser nomeada, e os conteúdos puderem ser elaborados e ressignificados. A partir disso, o casal poderá construir uma nova história. Porque briga de amor dói, e quem a vive, conhece o quanto dói.

 Léa Michaan

Anúncios

27 de Agosto de 2010 - Posted by | agressão conjugal

15 comentários »

  1. convivo a cinco anos com uma pessoa por qual lutei bastante e agora nao sei se e isso que quero pra min mais nao quero perdelo mais tou muito agressiva com ele e ele ainda min ama o que eu faço

    Gostar

    Comentar por josilene costa | 4 de Novembro de 2010 | Responder

  2. DRA ACHEI MUITO INTERESSANTE,SEU COMENTÁRIO,FOI DE GRANDE AJUDA,OBRIGADO POR EXISTIR,E ALIVIAR MAIS MEUS SENTIMENTOS,DEUS A ABENÇÔE E A ILUMINE SEMPRE.ABRAÇOS:SONIA REGINA.

    Gostar

    Comentar por SONIA REGINA DE ASSIS | 11 de Julho de 2013 | Responder

    • Agradeço suas boas palavras!

      Gostar

      Comentar por leamichaan | 14 de Julho de 2013 | Responder

  3. não sei mais o que fazer!!!
    eu que comecei desde o inicio do casamento, todas as vez que me irrito por algo que ele não faz direito segundo a minha visão eu o agrido da forma verbal e fisica, e agora ele está revidando, já li muito sob relacionamento mais não consigo mudar, mi ajude não quero perde-lo.

    Gostar

    Comentar por mirian monteiro | 7 de Fevereiro de 2014 | Responder

    • Você é impulsiva, quando a raiva chega vai logo pro polo motor, você não consegue refletir.
      Sugiro uma terapia, ou começar a pensar antes de agir.
      Lembre-se de pensar muito antes de agir.
      Um abraço,
      Léa

      Gostar

      Comentar por leamichaan | 11 de Fevereiro de 2014 | Responder

  4. E quando os dois são dissimulados e já agridem terceiros, o que fazer… Também não aceitam ajuda… separação só se for matando por amor…. O conflito está fora de controle… não sei o que fazer… é meu irmão….

    Gostar

    Comentar por Ane | 11 de Janeiro de 2016 | Responder

    • a solução existe, só que você ainda não encontrou, não alcançou a ideia que pode ajudar vocês,
      Pense melhor, ou escreva relatando o que acontece e vamos pensar juntas,
      Um abraço,
      Léa

      Gostar

      Comentar por leamichaan | 13 de Janeiro de 2016 | Responder

  5. Eu quero muito uma ajuda. Quero muito salvar meu casamento.
    Nós nos damos bem, mas as vezes brigamos feio… antes era uma frequencia de 1 vez por semana…. agora vem diminuindo, mas cada vez as brigas são mais serias.
    Minha esposa muitas vezes me agride…. mas eu nunca revido… ela se descontrola e sempre agride meu rosto… uma vez ela mordeu muito forte meu ombro e fez um hematoma muito forte…. eh mais forte do que ela. Ela tem melhorado, mas as brigas sempre beiram a separação…. e ela acha q está certa, que ela me agrediu por que eu fiz ela fazer isso, q eu a agredi com desrespeito… e isso me confunde muito
    .
    Por favor, não me venham com respostas genéricas do tipo “se agrediu, separa porque não tem mais amor”… estou tentando salvar meu casamento, e não tenho ninguem pra contar…
    .
    Hoje brigamos de novo… estavamos indo bem, já fazia mais ou menos um mês que não brigavamos, mas eu fiquei desempregado…. estou procurando emprego, envio muitos curriculos e ela me ajuda bastante… procurei empregos distribuindo de porta em porta….. mas não na quantidade que ela gostaria, e então ela está uma pilha de stress… mas o estranho que hoje ela me agrediu e não parecia descontrolada…. de novo com um tapa na cara.
    .
    Eu não agrido ela, não xingo e não desço o nivel… mas ela diz q eu sou grosso com ela e isso é como uma agressão pra ela… por isso ela só diz q está revidando… e hoje isso comecou porque eu disse pra ela que “faziam meses q eu não manifestava minha opiniao e que ela tinha total controle da minha rotina, que ela mandava em mim e que eu tinha aceitado ser uma pessoa vazia e sem assunto pra cumprir com a rotina q ela determinava, de acordo com o que ela precisava, e que conversava com ela somente sobre os assuntos dela por que meus assuntos não eram interessantes pra ela”… Outro motivo dela esta estressada é porque, segundo ela, apesar de eu estar procurando emprego, eu não tenho o sentimento de conseguir o emprego. E o fato de eu não entender o stress dela, soa como desrespeito também.
    .
    Peço que avalie o caso com carinho… não quero me separar, mas não quero mais apanhar, pois sinto que estou perdendo o encanto, e eu só quero q meu sentimento volte como era antes… toda vez q ela me agride, sempre fico um pouco mais frio e perco um pouco do romantismo…. eu quero melhorar, mas não consigo sozinho

    Gostar

    Comentar por Heitor | 9 de Setembro de 2016 | Responder

    • Não ha duvidas que a sua esposa transformou você no depositário das frustrações dela! Por isso ela te agride. A frustração gera ódio. Ela vê você como o salvador da pátria, quando as coisas dão errado, ela se revolta contra você.
      Está na hora de você se valorizar para que ela te valorize também!
      Não permita que ela bata em você de novo! Segure a mão dela da próxima vez e diga que você não admite violência e que exige respeito!

      Gostar

      Comentar por leamichaan | 5 de Outubro de 2016 | Responder

  6. Eu estou casada a três meses e só foi brigas ele só sabe xingar , pareço empregada dele ,larguei tudo minha família meu emprego de 8 anos pra morar em outra cidade.Ele nem deixa eu sair só se for com ele…Os faço to sem rumo ..me ajuda …eu o amo mais to cansada

    Gostar

    Comentar por Eliane | 17 de Setembro de 2016 | Responder

    • Ficar com ele tem um preço muito alto e você esta vivendo um conflito. A escolha é sua, ou fica com ele e paga o preço de perder a liberdade, ou cai gora, ou tenta uma boa conversa,
      Um abraço,
      Léa

      Gostar

      Comentar por leamichaan | 26 de Outubro de 2016 | Responder

  7. Eu namoro a dois anos, nos gostamos muito, mas sempre que tem uma briguinha, ele acaba, depois voltamos e fingimos que nada aconteceu. Em uma dessas brigas nos agredimos, com empurrões, chutes. Conversamos e decidimos que nunca mais isso iria acontecer. Ele não é uma pessoa nervosa, nem violenta, mas as nossas brigas tiram ele do sério. 6 meses depois da primeira briga com violência, aconteceu outra, eu sei exatamente como irritá-lo e na raiva comecei a discutir e ele acabou me dando um tapa. A tendência agora é piorar essa violência? O que eu devo fazer? Pular fora? Conversar de novo? Dá outra chance? Estou sem rumo mas ciente da proporção que essas discussões tomaram.

    Gostar

    Comentar por Mila | 26 de Junho de 2017 | Responder

    • Se você sabe exatamente o que fazer para irrita-lo, você também sabe o que deve fazer para NÃO irrita-lo, para não atiçar a fera dentro dele! Parece que nas discussões você fica muito tentada a atiça-lo. É quase irresistível para você usar o poder que as palavras têm para deixa-lo zangado, enfezado e muito bravo! Pode ser o seu lado sádico que impera, e todos nós temos todas as características humanas que existem, inclusive o sadismo, por isso, precisamos saber quando é hora de falar e quando é hora de calar e conter. Tome muito cuidado porque as palavras têm muito poder e podem destruir um relacionamento. Mas agora que você tem consciência do poder das palavras, seria muito bom conte-las porque elas podem envenenar e destruir o relacionamento. Elas são toxicas para o seu namorado que pode acabar afastando-se de você por causa delas!
      Lembre-se a saúde e o adoecimento de seu relacionamento afetivo está na sua língua e nas palavras que você tira de sua boca!
      Pense mais antes de falar!
      Um abraço,
      Léa

      Gostar

      Comentar por leamichaan | 31 de Julho de 2017 | Responder

  8. Ola!!
    Tennho um
    Relacionamento de 13 anos,6 de casada.De uns anos para ca,comecaram as brigas…sendo que na maioria das vezes sao brigas “por nada”,exemplo;uma prateleira que foi colocada errada ou uma palavra que ele julgue nao ser o momento adequado de dizer!
    As vezes fico calada ou ate rio da situacao pela qual esta se iniciando uma discucao.
    Acontece que meu marido e extremamente critico,ignorante e grosseiro,nao so comigo,mas com as criancas e a mae dele tbm!
    De um tempo para ca,comecei a agredi-lo fisicamente,ele por sua vez fica com as agressoes verbais.
    Quando a discucao comeca e ele fala coisas do tipo;faca a sua parte ou vai tomar seu “remedinho”,fico completamente cega de raiva.Pois dedico a meus dias a casa,as criancas e a ele…Me sinto muito cansada e estressada,faz anos que nao durmo mais de 6 horas de sono ineterruptos por noite.Nao consigo ir a uma consulta medica,fazer uma unha,depilacao…
    Gostaria muito que essas brigas parassem,nao so da minha parte mas da dele tbm!!!
    Temos dois filhos pequenos,uma vida tranquila financeiramente,no entanto nossas brigas estao nos destruindo.
    Que tipo de conselho a Dra me daria?

    Gostar

    Comentar por Cris | 11 de Agosto de 2017 | Responder

    • Você está dando muito poder as palavras dele. Por que você precisa de tanto reconhecimento? Percebe que o que mais te deixa cega de ódio, é quando ele não te dá o valor merecido?
      Desde quando você se sente injustiçada pela falta de reconhecimento dos outros? Desde a infância?
      Você tem sede de reconhecimento. Só que hoje você não é mais criança, porque na infância a gente depende dos pais e precisa da aceitação deles, assim como de ar, porque temos medo de perder o amor dos nossos pais. Liberte-se da necessidade de aceitação e valorização. De a si mesma o valor que você tem!
      Um forte abraço,
      Léa

      Gostar

      Comentar por leamichaan | 12 de Setembro de 2017 | Responder


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: