Psicóloga Responde

Dicas úteis para o dia-dia

Morro de ciúmes! A razão me diz que ele não trai, mas imagino e sinto que ele que trai!

Esta é uma questão frequente que recebo dos meus leitores e, por isso decidi escrever um artigo para esclarecer este tipo de fenômeno que acontece com muita gente: “Eu sei que ele (ela) não trai, mas imagino e acredito que trai, e o pior é que sofro a dor e o ódio da traição a ponto de não conseguir me conter e acabo transbordando e destruindo a relação”.

Se você se identificou com o que escrevi acima, este artigo é para você!

Isto acontece quando estamos com a autoestima baixa, já que, se nem nós nos amamos porque iríamos acreditar que outra pessoa nos ama?

Simplesmente porque a gente projeta no ser amado aquilo que sentimos em relação a nos mesmos. Se a nossa autoestima é baixa e somos frustrados por não sermos como gostaríamos de ser, e uma vez que a frustração gera raiva e a raiva gera ódio por não conseguirmos gostar de nós mesmos, estes sentimentos hostis de raiva e ódio são projetados na pessoa amada.

Nos momentos que imaginamos que a pessoa amada nos trai despejamos nela toda a raiva da frustração e o ódio por não inspirarmos amor. Pensando bem, se não inspiro amor no outro porque fico com ódio dele, teria que ficar com ódio de mim, isto sim. Mas, como diz Sartre: “O inferno são os outros”, ou seja, todos nós temos um mecanismo psicológico que expulsa os sentimentos hostis de nós e os projeta nos outros.

Isto acontece porque a falta de autoestima gera insegurança em nós e desconfiança no amor do outro por nós.

A única maneira de interromper este ciclo vicioso de baixa autoestima, insegurança, desconfiança e ciúmes doentio é o desenvolvimento de nossa autoestima.

A autoestima é a capacidade que uma pessoa tem de gostar de si mesma. Para isto, o primeiro passo é a gente se conhecer, exercitar a capacidade de sermos nós mesmos, sermos autênticos e espontâneos.

Seguindo este caminho melhoramos nossa autoestima. Afinal, como podemos gostar de nós mesmos se nem ao menos nos conhecermos?

À medida que uma pessoa se torna mais ela mesma, também gosta mais de si e vai se tornando mais confiante e segura. Agora sim, será possível confiar no amor que o outro sente por mim, uma vez que me amo acredito que outro possa me amar também.

A sua mente projeta o desamor por si mesma na pessoa amada. Então você frequentemente acha que ele não gosta de você, que você não basta e que ele te trai. Mas quem está te traindo de verdade é você mesma. Porque não se conhece, não se compreende e não confia na sua capacidade de fazer-se amar.

Se você não desenvolveu a autoestima você será dependente da companhia, do afeto e da opinião do outro, porque a sua própria companhia não te interessa. Você só acreditará no amor do outro se você tem capacidade de se amar. Caso contrário, você precisará receber provas do amor do outro constantemente para compensar a falta de amor por si mesma e porque não acredita que pode ser amada.

Pense nisso da próxima vez que for armar um barraco por ciúmes, e comece a cuidar de sua autoestima antes de destruir as relações, e sua baixa autoestima acabe com você

Léa Michaan,

27/10/2015

27 de Outubro de 2015 Posted by | Ciúmes | | 3 comentários