Psicóloga Responde

Dicas úteis para o dia-dia

O Amor entre casais

Há muito tempo venho pensando em falar sobre este tema, mas não sabia o que e nem como tocar em algo tão abrangente e intenso e que tantos outros falaram sobre este sentimento de formas encantadoras e tocantes. O que restava a dizer?

A resposta chegou hoje ao assistir um antigo, mas extremamente atual filme chamado: “Niágara”, a tradução é “Torrentes da Paixão”.

A mensagem principal do filme – O amor é bom na medida sensata.

Neste filme há uma belíssima analogia entre o amor e as cataratas – Acima das cascatas, há apenas poucos centimetros das quedas d’água há o rio tranquilo e calmo. O rio sobre a cascata e a catarata podem ser comparados as duas maneiras proximas e ao mesmo tempo distantes de amar. Se observarmos um tronco flutuando no rio poderemos vê-lo deslizar sereno e tranquilo, mas ao atravessar o tênue limite onde inicia a catarata, o tronco é lançado numa queda perigosa e arriscada onde se desgoverna perdendo as estribeiras, e no final da queda, se pudéssemos resgata-lo estaria destroçado ou pior, aniquilado.

Quando atravessamos o limite da dose sensata de amar e nos lançamos num amor desmedido, arrebatador e exagerado, então, somos como o tronco lançado na cascata. Do mesmo modo que o tronco é aniquilado, nós morremos para todas as outras possibilidades de nossa existência, tornando-nos obsessivos, enlouquecidos e este amor, se é que podemos chamar assim esta atuação regada de posse, voracidade, desejo que se torna necessidade e paixão desmedida, só pode nos aniquilar, fazendo com que não reste em nós mente e sentimentos para investirmos em qualquer outra coisa, de tal modo que nos tornamos mortos para tudo mais na vida, inclusive a viver este amor, que já deixou de ser amor, para se tornar nossa queda e destruição.

Nas cataratas do Niágara, assim como no amor, é muito fácil sermos puxados pela correnteza e cairmos nas torrentes desmedidas da paixão, mas se pudermos nos manter lúcidos, e transitar por toda extensão do rio – metáfora da vida, e não apenas viver em função de uma paixão. Poderemos usufruir o que há de bom, além da perdição da paixão, então será possível viver um amor tranquilo, bom, produtivo, construtivo e, porque não? Feliz.

Anúncios

11 de Junho de 2012 Posted by | amor, Amor entre casais | 3 comentários