Psicóloga Responde

Dicas úteis para o dia-dia

Sofrer de amor – Porque sofremos tanto por amor e de amor?

A maior dor no amor acontece quando as sintonias são diferentes. Nosso amor atual é seduzido por um terceiro, ou não, simplesmente deixou de encontrar em nós os elementos que o levava a nos amar, e enquanto isso, nós permanecemos com os sentimentos focados nele. Nossa mente está ocupada com ele e nós continuamos investindo em saudades, lembranças e desejos frustrados e direcionados a ele. Enquanto ele investe em outra pessoa ou objeto de vida.
Dói muito porque quando perdemos um amor, estamos perdendo um pedaço do nosso passado, presente e futuro.
No passado ele fazia parte da nossa vida e antes mesmo dele chegar, em nossos devaneios sonhávamos com aquele que completaria o “quadro” e quando o encontramos, temos a impressão que a figura do quadro se fechou.
No presente, dói viver sem aquela pessoa ao nosso lado. Nos flagramos sofrendo com a ausência dela.
E nosso futuro dói porque foi planejado junto a pessoa amada. Assim, ficamos sem chão, perdidos no tempo.
Contudo, não podemos perder de visa que a vida é formada por começos, meios e fins, e uma das dores, neste caso, é que o fim chegou antes do esperado. Outra dor é que estamos em sintonias diferentes e por isso no lugar da pessoa amada fica uma ausência profunda.
Porém, não podemos esquecer que esta dor é finita assim como tudo nesta vida porque como mencionei anteriormente nossa vida é formada constantemente de começos, meios e fins. Para que esta dor acabe é necessário não alimentá-la, mas o oposto, desnutri-la. Para isso, será preciso aceitar o término, então choramos um pouco ou um muito; vivemos o luto e cada um de nós no nosso ritmo único e singular, vamos nos libertando pouco a pouco para viver novos amores.
É necessário ter em mente que não há uma única pessoa que completa o nosso quadro afetivo, existem inúmeras possibilidades. Em cada fase, em cada estágio da vida, do mundo e de nós mesmos, outras pessoas podem completar a cena. Este que se foi não é mais aquele que fecha a figura que temos do amor.
Aceitar isto nos libertará de continuar investindo naquele que não nos dará retorno, apenas nos deixará mais e mais desnutridos. E assim, pouco a pouco, respeitando o tempo propício, como uma flor que se abre, nos abrimos para a vida e nos soltamos das amarras sufocantes da dor da ausência daquele que já foi, mas não é mais o amor de nossas vidas.

Léa Michaan,
21/01/2014

Anúncios

21 de Janeiro de 2014 Posted by | sofrer de amor | | 65 comentários